Saltar para conteúdo

Arrancam obras para construção da Linha circular

Já está assinado o Auto de Consignação do Lote 1. Adjudicado à ZAGOPE – Construção e Engenharia, S.A., a consignação vem formalizar o arranque das obras para a concretização do Plano de Expansão do Metropolitano de Lisboa, que visa ligar o Rato ao Cais do Sodré com duas novas estações: Estrela e Santos.

Este prolongamento, que passará a servir áreas da cidade de Lisboa que não tinham acesso ao Metropolitano, vai também reforçar a oferta dos atuais e potenciais utilizadores de transporte coletivo que se deslocam entre Lisboa e Cascais e entre Lisboa e Almada/Seixal/Montijo. Através desta solução estima-se que cerca de 7,5 mil pessoas deixem de utilizar diariamente o seu transporte individual, permitindo, por isso, a redução da emissão de 5 mil ton de CO2 no primeiro ano de operação, uma mais-valia para a cidade no atual cenário de preocupação com as alterações climáticas.

A Linha circular do Metro de Lisboa, projeto estruturante para a Área Metropolitana de Lisboa, permitirá criar uma interligação eficiente dos vários transportes ferroviários de Cascais e fluvial do Tejo, estabelecendo uma plataforma de distribuição de passageiros de elevada frequência que melhora significativamente a acessibilidade e a conetividade geral à rede de transportes públicos, permitindo uma redução substancial da utilização do transporte individual. No primeiro ano de funcionamento da Linha circular, estima-se que o acréscimo de passageiros seja de 9 milhões de novos passageiros em toda a rede.

O investimento total previsto para este Plano de Expansão é de 210,2 milhões de euros, cofinanciado em 127,2 M€ pelo Fundo Ambiental e em 83,0 M€ pelo Fundo de Coesão, através do POSEUR – Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.